STF julgará ação contra inquérito aberto pela corte sobre fake news

STF julgará ação contra inquérito aberto pela corte sobre fake news

Geral

Dias Toffoli durante sessão do STF
Fachin liberou para julgamento o recurso protocolado pelo partido Rede Sustentabilidade contra a abertura de inquérito pelo presidente Dias Toffoli (Foto) (Adriano Machado/Reuters)

                        O ministro do <strong><a href='https://exame.abril.com.br/noticias-sobre/stf/' target='_blank' rel='noopener noreferrer'>Supremo Tribunal Federal</a></strong> (STF) Edson Fachin liberou nesta ter&ccedil;a-feira (14) para julgamento o recurso protocolado pelo partido Rede Sustentabilidade para suspender o inqu&eacute;rito aberto pela pr&oacute;pria Corte para apurar not&iacute;cias falsas (fake news) e ofensas contra ministros do tribunal.

Com a decisão, caberá ao presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, marcar o julgamento. O inquérito foi aberto por determinação do próprio presidente.

Ao pedir a data para julgamento, Fachin disse que a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) está pronta para julgamento.

“A instrução cabível para a apreciação da medida cautelar desta ADPF realizou-se. A presente matéria demanda julgamento colegiado por razões que lhe são inerentes, cabendo, pois, indicar à pauta de julgamento do Tribunal Pleno. Assim, peço dia para julgamento da medida cautelar desta ADPF”, decidiu.

Inquérito sobre notícias falsas

O caso envolvendo críticas à Corte Suprema nas redes sociais começou em março. Ao anunciar a abertura do inquérito , no dia 14 de março, Toffoli referiu-se à veiculação de “notícias falsas (fake news)” que atingem a honorabilidade e a segurança do STF, de seus membros e parentes. Segundo o ministro, a decisão pela abertura está amparada no regimento interno da Corte.

Em seguida, Alexandre de Moraes, que foi nomeado relator do inquérito por Toffoli, determinou a retirada de reportagens da revista Crusoé e do site O Antagonista que citavam Toffoli. Após a repercussão do caso, Moraes voltou atrás e reviu sua decisão.

Moraes também autorizou a Polícia Federal a realizar buscas e apreensão contra quatro pessoas, entre elas, o candidato ao governo do Distrito Federal nas últimas eleições, Paulo Chagas (PRP).

Em seguida, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, arquivou o inquérito , mas Moraes rejeitou a decisão.

Apesar de Raquel Dodge ter considerado que o arquivamento é um procedimento próprio da PGR e irrecusável, Moraes tomou a manifestação como uma solicitação e entendeu que a medida precisa ser homologada pelo STF.

Comentários

Deixe o seu comentário